História Paróquia São João Batista

No ano 1989, o então pároco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, Pe. Celso Maximino José, começou a celebrar a Eucaristia nas casas aqui no nosso bairro. Depois, substituído pelo Pe. Oswaldo Gonçalves, este deu continuidade à obra de evangelização destes bairros. Missas maiores eram celebradas em um grande terreno no encontro das ruas Miguel Petroni com a Marcos Vinícius, sobre um caminhão e quermesses eram feitas neste lugar também. Ainda consta na memória dos mais antigos membros desta comunidade essas quermesses e que alguns homens ficavam a noite toda vigiando os pertences.

O grande crescimento de nossa comunidade se deu com a chegada do Pe. Valdir do Carmo André, no dia 16 de fevereiro de 1991, para a “Quase Paróquia Santa Rita de Cássia”, que se desligava neste momento da Paróquia Nossa Senhora de Fátima. Ele deu continuidade às missas nas casas às quintas-feiras e domingos. As grandes celebrações e quermesses eram feitas em um terreno à rua João Dagnone, onde hoje está construída a CEMEI Prof. Vicente de Paulo Rocha Keppe.

Com muito esforço e trabalho a comunidade adquiriu um terreno à rua Antônio Carlos Ferraz de Salles, n. 1315; com a doação de madeiramento e telhas, neste local foi construído um barracão, ainda sem paredes já se tornou o espaço de missas e eventos da “Comunidade São João Batista”. Depois, esse barracão foi implementado com a construção das paredes e de uma cozinha. Na memória dos membros dessa época, consta exatamente a precariedade dessa cozinha “pequena e estreita” e os esforços de montagem e desmontagem do “Salão” entre eventos e missas.

No ano 2001, chegou o Diác. Flávio Ap. Gomes para colaborar com o Pe. Valdir e se dedicar mais diretamente à Comunidade São João. Em janeiro, deste mesmo ano, começou a construção da Igreja. Ainda nesse ano, a comunidade se uniu à toda a Diocese para preparar e celebrar a ordenação presbiteral do Pe. Flávio, que depois assumiu a “Quase Paróquia de São João Batista”.

Pe. Flávio trabalhou bastante na comunidade, iniciando a devoção a Nossa Senhora Desatadora dos Nós, por meio das novenas. Na memória desse período é lembrada a Igreja repleta de fieis para pedir a intercessão de nossa Mãe Maria. Também nessa época foi iniciada a construção da Igreja no bairro Aracê de Santo Antônio.

Com a saída do Pe. Flávio, de 2003 a 2005 o Pe. Valdir voltou a administrar a “Quase Paróquia São João Batista”, com o auxílio do Pe. Ismael Fraga. Nesse intervalo de tempo, foram construídas a Igreja Nossa Senhora Desatadora dos Nós, a Casa Paroquial e foi adquirido o Carro Paroquial. Em janeiro de 2005, chegou o Diác. Marcelo Jolli para atuar na “São João”, colaborando com o Pe. Valdir.

Depois de sua ordenação, em agosto de 2005, Pe. Marcelo Ap. Jolli assumiu diretamente o cuidado pastoral da “Quase Paróquia São João Batista”. Deste mesmo mês, consta a carta do Pe. Valdir, dirigida ao bispo Dom Joviano de Lima Júnior, pedindo a criação da Paróquia São João Batista.

Pe. Marcelo Jolli deu início aos trabalhos de estruturação do dízimo, do ministério da visitação, e do “Cerco de Jericó”. Em 2006, foi criado o informativo paroquial “O Precursor” e foi expedido o Decreto de Criação da Paróquia. Assim, no dia 04 de fevereiro de 2006 foi criada a “Paróquia São João Batista.

Desde a criação da Paróquia, nós tivemos o cuidado pastoral de vários padres: Pe. Marcelo Aparecido Jolli (2006-2009), Pe. Jorge João Aparecido Nahra (2009-2013), Pe. Marcelo Aparecido Vicentin (2013-2018), Pe. João Victor Bulle (2018-). Tivemos como vigários paroquiais: Pe. Luiz Albertus Sleutjes (2012-2013) e Pe. André Elias Pires (2013-2014).

As comunidades da Paróquia São João Batista são a Matriz de São João (Santa Felícia), a Comunidade Santa Teresinha do Menino Jesus (Jd. Ipanema) e a Comunidade Santa Faustina (Pq. Fehr). A Paróquia São João Paulo II (Jd. Embaré), que é composta também da Comunidade Nossa Senhora Desatadora dos Nós (Aracê de Santo Antônio), foi desmembrada da Paróquia São João Batista em 2014.